Você está aqui: Página Inicial » Gramática » Morfologia » O plural dos substantivos compostos

Morfologia

Texto:
por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

O plural dos substantivos compostos








Em se tratando do número dos substantivos, há que se mencionar que estes também são formados por palavras já existentes na língua – referimo-nos, de forma precisa, aos compostos. Mas, afinal, será que quando pluralizados obedecem também a pressupostos pré-determinados?

Para que possamos nos inteirar efetivamente acerca destas peculiaridades, antes de tudo, devemos nos conscientizar de que tal ocorrência está condicionada à forma como os substantivos se apresentam grafados, à característica das palavras que os formam (a que classe gramatical pertencem) e, sobretudo, à respectiva relação que estabelecem entre si.
Tudo isso nos leva a crer que a resposta para o questionamento anterior é mais do que positiva, concorda?

E por assim dizer, analisemo-las, tendo em vista os respectivos pormenores:

* Geralmente, aqueles compostos desprovidos do hífen assemelham-se aos substantivos simples, quando pluralizados.
Exemplos:

girassol – girassóis
malmequer – malmequeres
pontapé – pontapés...

* Já aqueles cuja junção se materializa pelo emprego do hífen, obedecem a algumas regras práticas. Vejamo-las:

a) No caso de ambos os elementos pertencerem à classe de palavras variáveis, estes são flexionados.
Exemplos:

guarda civil – guardas civis
primeira-dama – primeiras-damas
couve-flor – couves-flores
quarta-feira – quartas-feiras

b) No caso de compostos ligados por preposição, somente o primeiro elemento é flexionado.
Exemplos:

pão-de-ló – pães-de-ló
pimenta-do-reino – pimentas-do-reino
pé de moleque (adequando-se ao novo acordo) – pés de moleque

c) Em compostos cujo segundo elemento indica a finalidade, forma ou semelhança do primeiro, flexiona-se somente este.
Exemplos:

escola-padrão – escolas-padrão
pombo-correio – pombos-correio
salário-família – salários-família

Observação importante:

Há a possibilidade também de os dois elementos serem flexionados, em se tratando da regra anterior.
Exemplos:

pombos-correios 
salários-famílias

d) Flexiona-se somente o segundo elemento quando o primeiro se caracterizar por uma palavra invariável ou por um verbo.
Exemplos:

beija-flor – beija-flores
abaixo-assinado – abaixo-assinados
sempre-viva – sempre-vivas
alto-falante – alto-falantes

e) No caso de compostos em que o primeiro elemento é formado pelos termos “grã, grão e bel”, somente o segundo é flexionado.
Exemplos:

bel-prazer – bel-prazeres
grão-duque – grão-duques

f) No caso de compostos formados por palavras repetidas ou onomatopaicas, somente o segundo é flexionado.
Exemplos:

tique-taque – tique-taques
pingue-pongue – pingue-pongues
reco-reco – reco-recos
corre-corre – corre-corres

Detalhes importantes:

* Em formas verbais repetidas, haverá a possibilidade de os dois elementos serem flexionados.
Exemplos:

corre-corre – corres-corres
pisca-pisca – piscas-piscas

* No caso de palavras substantivadas, estas são invariáveis, demarcadas somente pelo determinante.
Exemplo:

o louva-deus – os louva-deus

* Invariáveis também ficam os compostos de verbos constituídos de elementos opostos, cuja demarcação se assemelha à regra anterior.
Exemplo:

o vai-volta – os vai-volta