Você está aqui: Página Inicial » Gramática » Sintaxe » Predicativo e Adjunto adnominal

Sintaxe

Texto:
por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Predicativo e Adjunto adnominal








A diferença que demarca o predicativo e o adjunto adnominal é que este atua como termo integrante e aquele como termo essencial
A diferença que demarca o predicativo e o adjunto adnominal é que este atua como termo integrante e aquele como termo essencial

Alguns fatos linguísticos apresentam aspectos semelhantes entre si. Dentre tantos exemplos de tal ocorrência estão o objeto indireto e o complemento nominal (dada a presença da preposição entre ambos os elementos) e o predicativo e o adjunto adnominal (visto que o elemento principal é representado pelo adjetivo).

Dada essa prerrogativa, sobretudo pelo fato de que precisamos estar aptos a exercer nossos conhecimentos sintáticos, o artigo em pauta tem por finalidade abordar os pontos que demarcam esses dois elementos que integram o campo dos estudos relacionados à sintaxe: o predicativo e o adjunto adnominal.

Dessa forma, a noção primeira que nos ocorre é a de que o predicativo representa um termo essencial ao enunciado linguístico, haja vista que sem ele o sentido estaria efetivamente comprometido. Portanto, observemos o seguinte exemplo:

O dia está lindo.

Temos que o termo em destaque atua como predicativo do sujeito “o dia”. Assim sendo, notamos que ele confere uma característica a tal termo – indispensável, portanto.

Ocupemo-nos em analisar este outro enunciado:

O dia ensolarado está lindo.

Chegamos à conclusão de que o termo em evidência atua apenas como parte do sujeito, ou seja, apresenta-se como uma dispensável qualificação do substantivo, que atua como núcleo da oração (dia). Afirmamos, portanto, que se trata de um adjunto adnominal.

Mediante tais postulados, resta-nos convir que a diferença entre o predicativo e o adjunto adnominal reside no fato de que este funciona como termo acessório da oração, parte de um termo essencial (no caso o sujeito) ou integrante dela. Aquele, por sua vez, atua como termo essencial, conferindo-lhe o sentido que lhe cabe. Eis a grande diferença!