Você está aqui: Página Inicial » Literatura » Literatura no Brasil » A literatura de informação

Literatura no Brasil

Texto:
por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

A literatura de informação








Manifestações literárias do século XVI – Quinhentismo

As primeiras manifestações literárias em terras brasileiras ocorreram no período do Brasil-Colônia. Destacam-se como tais, um conjunto de obras portuguesas ocorridas a partir do século XVI, manifestadas por meio dos escritos produzidos pelos viajantes, no intento de relatar as descobertas marítimas e terrestres.

Cabe ressaltar que antes do período que se refere às Grandes Navegações, os povos europeus consideravam estar no centro do mundo, uma vez que todas as partes, até então desconhecidas, eram concebidas como pertencentes a elementos fantásticos. Após iniciadas as grandes expedições marítimas, reverteu-se toda esta ótica.

Por meio delas, estas fantasias foram cedendo lugar a fatos reais, principalmente com a conquista e a colonização de novas terras, visto que as consequências econômicas, políticas e morais, relacionadas às mesmas, tornavam-se cada vez mais importantes “aos olhos de Portugal”.

Desta forma, as obras produzidas neste período são de caráter informativo, e ao conjunto dos referidos relatos, atribuímos o nome de Literatura de Informação ou Literatura dos Cronistas e Viajantes. Os textos, escritos em prosa, eram bem aceitos em Portugal e na Espanha, pois as paisagens exuberantes e os costumes exóticos ligados à natureza do homem brasileiro atendiam plenamente aos interesses econômicos, principalmente do colonizador.

Dentre estas obras, destacam-se como mais importantes:

Carta de Pero Vaz de Caminha, dirigida ao rei D. Manuel, relatando o descobrimento e as principais impressões da nova terra;

 Diário de navegação, de Pero Lopes de Souza (1530);

 Tratado da terra do Brasil e história da Província de Santa Cruz, a que vulgarmente chamamos de Brasil, de Pero de Magalhães Gândavo (1576);

Narrativa epistolar e Tratado das terras e das gentes do Brasil, de Fernão Cardim (1583);

 Tratado descritivo do Brasil, de Gabriel Soares de Souza (1587);

Diálogos das grandezas do Brasil, de Ambrósio Fernandes Brandão (1618);

Cartas escritas pelos jesuítas durante os dois primeiros séculos da catequese;

História da conversão dos gentios,
do Pe. Manuel da Nóbrega;

 História do Brasil, de Feri Vicente de Salvador (1627);

 Duas viagens ao Brasil, de Hans Staden (1557);

 Viagem à terra do Brasil, de Jéan Léry (1578).

A literatura de Catequese

Compondo o quadro da literatura de informação, destaca-se também a literatura de catequese, a qual pertencia aos escritos dos jesuítas que chegaram ao Brasil a partir de 1549. Pertenciam à Companhia de Jesus, organizada por Ignácio de Loyola, visando recuperar o poder e o prestígio preconizado pela Igreja Católica após a Reforma Protestante.

Assim sendo, defendiam a fé contra os ataques de protestantes e hereges, propagando-a aos mais distantes lugares da terra, convertendo muçulmanos, budistas e até os habitantes nativos das terras recém descobertas. Com base neste propósito, fundaram vários colégios na Europa e América, pois viam a educação como um instrumento viável para tal realização.

Entre seus principais representantes, citam-se os padres Manuel da Nóbrega, Fernão Cardim e José de Anchieta. Ao chegar aqui, Manuel da Nóbrega, juntamente com outros membros da Companhia de Jesus, mantiveram uma vasta correspondência sobre como se deu sua obra catequética, focalizando hábitos, costumes, língua e, sobretudo, as relações que mantinham entre os colonos e os jesuítas.

José de Anchieta destacou-se de modo relevante, em razão de sua produção de caráter pedagógico e moral, retratada em forma de poemas e peças teatrais. As representadas por cartas, relatórios e crônicas caracterizavam-se como prosa informativa, além de sermões, peças teatrais e poesias, todas escritas em português, espanhol e tupi-guarani.

A popularidade é característica marcante no teatro de José de Anchieta, pautado por uma linguagem simples e composto por uma técnica rudimentar, retoma uma tradição baseada nos autos de Gil Vicente, como também nos moldes proferidos durante a Idade Média.

Como podemos perceber, a produção concernente a este jesuíta possui um amplo valor significativo no processo de formação de nossa cultura, em razão de o mesmo ter se incumbido diante da tentativa de conferir uma expressão literária às novas condições do homem em solo brasileiro.