Você está aqui: Página Inicial » Literatura » Vanguardas Europeias » Vanguardas Europeias - Cubismo e Futurismo

Vanguardas Europeias

Texto:
por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Vanguardas Europeias - Cubismo e Futurismo








Antes de tudo, ressaltamos o fato de que todos os movimentos caracterizados pela arte vanguardista foram influenciados pelo panorama histórico que compunha o cenário europeu do fim do século XIX e início do século XX. Partindo deste pressuposto, façamos uma volta ao passado no intento de constatar os traços histórico-sociais que demarcaram o período em questão.

No início do século XX, as nações europeias compartilharam de vários problemas. Dentre estes podemos citar: a partilha da Ásia e África, enquanto Inglaterra e França se sobressaíram em virtude da conquista de grande parte do território e seus inúmeros recursos. Diante de tal fato, Alemanha e Itália tiveram que se contentar com pequenas porções e de baixo valor. Consequentemente, todo esse descontentamento desaguou tão somente em verdadeiras disputas pelo poderio econômico, que fizeram os países investirem em armamentos bélicos no caso de confrontos e, de maneira inevitável, eclodiu-se a Primeira Guerra Mundial.

Paralelamente ligado a estes fatos, estava o grande avanço tecnológico pelo qual perpassava a burguesia industrial em decorrência das grandes inovações (luz elétrica, o automóvel, o avião, o avanço científico, dentre outros). Diante deste processo revolucionário, a Europa daquela época dominava o restante do mundo, porém, já ecoavam rumores de que a desigualdade social viria a fazer parte deste processo: de um lado, as grandes elites, do outro, a massa dos excluídos – trabalhadores insatisfeitos em decorrência das péssimas condições de trabalho a que eram submetidos. Mediante esse clima de insatisfação irrompiam-se também as greves.

Diante de tais acontecimentos, surgiram movimentos artísticos e políticos que representaram um sentimento de oposição aos ditames impostos pela sociedade vigente. Estando à frente de seu tempo, os movimentos representados pelas vanguardas revelaram seus interesses ideológicos por meio de uma verdadeira radicalização no campo da cultura e das artes como um todo. Manifestações artísticas estas, que se materializaram pelo Futurismo, Cubismo, Dadaísmo, Expressionismo e Surrealismo que, posteriormente, deram origem ao Modernismo brasileiro.

No intuito de familiarizarmo-nos acerca de suas características, realizaremos um estudo com ênfase em cada uma delas de modo particular. Por isso, vejamos:

Cubismo


Demoiselles, de Pablo Picasso – figuras geométricas que fogem ao convencionalismo


O Cubismo surgiu em 1907, quando o pintor espanhol Pablo Picasso (1881 -1973) expôs sua criação (representada na imagem acima) em Paris. Após este momento, outros representantes também se destacaram. Entre os quais destacamos: Fernand Léger, André de Lothe, Juan Gris e Georges Braque; e na literatura, Apollinaire e Cendras.

As manifestações que revelam a arte cubista são baseadas na decomposição da realidade em fragmentos que se entrecortam entre si. Tal pressuposto rompeu com os preceitos ideológicos instituídos pelo Realismo, no intento de mostrar que existem outras maneiras de perceber e interpretar o real.

Na literatura, sua manifestação se dá por meio da realidade aparente em oposição à realidade pensada, interpretada. O discurso apresenta-se como desprovido de uma sequência lógica, pautado por uma desordem proposital na apresentação de seus elementos e por uma enumeração aleatória de fragmentação da realidade, na qual passado e futuro parecem se fundir. Outra característica marcante se atém à desvalorização da estrofe e, consequentemente, da pontuação, métrica e rima.

Futurismo

Seus primeiros indícios se revelam por meio do Manifesto Futurista, sob a autoria do italiano Tommaso Marinetti, publicado no jornal parisiense Le Figaro, em 22 de fevereiro de 1909. O Futurismo propunha a demolição radical do passado, do academicismo condicionado às artes em geral, e exaltava o progresso e a revolução causada pela implantação da tecnologia, valorizando a velocidade e a energia.

Na literatura, Marinneti preconizava a capacidade imaginativa, desprovida do apego ao tradicionalismo, principalmente no que se refere à sintaxe. Para tanto, conclamava o emprego dos versos livres, subsidiados pela liberdade de expressão. Exemplificando tais pressupostos, ater-nos-emos à criação de Álvaro de Campos, um dos heterônimos de Fernando Pessoa:

 Ode triunfal  

À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica
Tenho febre e escrevo.
Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,
Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.
Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno!
Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria!
Em fúria fora e dentro de mim,
Por todos os meus nervos dissecados fora,
Por todas as papilas fora de tudo com que eu [sinto!
Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos [modernos,
De vos ouvir demasiadamente de perto,
E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso
De expressão de todas as minhas sensações,
Com um excesso contemporâneo de vós, ó máquinas!
Em febre e olhando os motores como a uma Natureza tropical -
Grandes trópicos humanos de ferro e fogo e força -
Canto, e canto o presente, e também o passado [e o futuro,
Porque o presente é todo o passado e todo o futuro
(...)
Álvaro de Campos