Você está aqui: Página Inicial » Gramática » Sintaxe » Os pronomes oblíquos na função de complementos verbais

Sintaxe

Texto:
por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Os pronomes oblíquos na função de complementos verbais








Os pronomes oblíquos constituem uma das subdivisões pertencentes a esta classe gramatical, ora representada pelos pronomes pessoais do caso reto, caso oblíquo e de tratamento. Figurando-se entre a modalidade em questão, identificamos os seguintes pronomes:

Desta feita, focalizaremos nossa atenção para o título a que se refere este artigo. A existência de dois termos nos desperta para um fato interessante – complementos verbais. Ora, se falamos sobre tais, fato é que estamos nos referindo a objeto direto e indireto, logo, contextualizamo-nos à sintaxe.

Mas pronomes não estão condicionados à morfologia, visto que representam as classes gramaticais? Daí concluímos que a língua nos conduz a grandes descobertas, não é mesmo? A verdade é que assim como os adjetivos exercem, sintaticamente, a função de predicativos do sujeito (qualidade), os pronomes também ocupam a posição de complementos verbais, atuando ora como objeto direto, ora como indireto.
E, por assim dizer, vejamos como estas ocorrências se evidenciam mediante os enunciados linguísticos:

Os pronomes pessoais do caso oblíquo, representados por o, a, os, as (lo, la, los, las, no, na, nos, nas), em determinadas circunstâncias funcionam como objeto direto.
Exemplos:

Gostaria de vê-los mais tarde em minha casa.

O verbo ver, de acordo com sua transitividade, classifica-se como transitivo direto, ou seja: quem vê, vê alguém. Portanto, quem o sujeito gostaria de ver? Eles.
Neste caso, o pronome “los” ocupa a função de objeto direto.

Convidaram-na para a reunião na empresa.
Convidaram quem? Ela.

O pronome pessoal oblíquo “lhe” (lhes) representa o complemento de um verbo transitivo indireto, atuando, portanto, como objeto indireto.
Exemplos:

Entregamos-lhe todos os presentes que recebera.

Atendo-nos à transitividade verbal, identificamos que se trata de um verbo transitivo indireto e direto, pois sempre entregamos algo (objeto direto) a alguém (objeto indireto).

Concedemos-lhe um desconto especial na compra daquela mercadoria.

Semelhantemente ao exemplo anterior, constatamos que algo só pode ser concedido a alguém.

Quanto aos demais pronomes, a referida classificação se dá, também, mediante a transitividade expressa pelo verbo.
Exemplos:

Eles te respeitam muito / Todos me conhecem pelo apelido.