Você está aqui: Página Inicial » Redação » Texto » Informatividade: uma característica textual

Texto

Texto:
por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Informatividade: uma característica textual


A informatividade, ora representada pela qualidade das informações contidas num texto, pode se caracterizar em maior ou menor grau.





A informatividade de um texto pode se dar em maior ou menor grau, a depender das informações nele prestadas
A informatividade de um texto pode se dar em maior ou menor grau, a depender das informações nele prestadas



Um texto cuja modalidade se define pela natureza argumentativa representa, sobretudo, aquele texto em que se atesta a capacidade de o emissor discorrer, defender seu ponto de vista acerca deste ou daquele assunto.

Espera-se, dessa forma, que o discurso nele abordado faça com que o interlocutor, a depender dos argumentos firmados, deposite toda credibilidade a ele indispensável, buscando com isso ampliar os conhecimentos e, consequentemente, manter-se informado acerca de assuntos diversos. Assim entendido, cumpre ressaltar que essa diversidade de informações contidas tanto no discurso oral quanto no escrito se caracterizam tão somente pela informatividade, como bem nos retrata o próprio nome:

informatividade ↔informações

Partindo desse pressuposto, existem textos com menor ou maior grau de informatividade, fato esse que depende daqueles fatores básicos que norteiam a finalidade da escrita: por que, para quê e para quem escrevemos, cujos aspectos, uma vez cumpridos, tendem a fazer com que a interlocução se materialize de forma significativa. Assim, o grau de informatividade, ora dito em outras palavras, define-se pelo nível de conhecimento de que dispõem as pessoas de uma forma geral.

De forma a ilustrarmos na prática como se dão esses aspectos, basta tomarmos alguns exemplos, tais como:

Suponhamos que num texto contenha a presença de um cartum, de uma charge, enfim, e que o discurso contido nesses gêneros aluda  a uma situação que faz parte do conhecimento da maioria dos interlocutores. Diante de tal realidade, afirmamos que se trata de um baixo grau de informatividade, visto que mediante a interação verbal não houve nada assim de tão importante a acrescentar ao conhecimento do leitor/ouvinte.

Outro exemplo, agora demarcado por um grau médio de informatividade, figura-se nos textos de circulação social, sobretudo aqueles veiculados pela mídia, jornais e revistas, haja vista que as informações neles prestadas, além de mobilizar o repertório cultural do leitor, ainda lhe acrescentam informações novas. 

Aqueles textos, ora demarcados por um alto grau de informatividade, costumam destinar-se a um público mais específico, pois se constituem de assuntos voltados para um repertório cultural mais bem elaborado, como é o caso dos textos científicos de uma forma geral.

Conclusões nos fazem inferir que, a depender do grau de informatividade expresso num determinado texto, esse tende a despertar maior ou menor interesse por parte dos interlocutores, tendo em vista as informações nele retratadas.