Você está aqui: Página Inicial » Gramática » Acentuação » Acentuação

Acentuação

Texto:
por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Acentuação








A acentuação é um tema inerente aos postulados gramaticais que, indiscutivelmente, se concebe como fator de relevante importância, em se tratando da linguagem escrita. Trata-se do fenômeno relacionado à intensidade pela qual as sílabas se apresentam quando pronunciadas, podendo ser em maior ou menor grau. Quando proferidas com mais intensidade, classificam-se como tônicas, e quando soadas de maneira mais sutil, como átonas.

Ainda enfatizando acerca da importância do assunto em pauta, há outro detalhe que a ele se torna pertinente – o fato de ter havido algumas mudanças em decorrência da implantação da Nova Reforma Ortográfica, oficialmente vigorada desde 1º de janeiro de 2009. Cabendo ressaltar, portanto, que os referidos postulados, abaixo descritos, se encontram condizentes a esta. Para tanto, analisemos:

De acordo com a posição da sílaba tônica, as palavras classificam-se em:

Oxítonas – aquelas em que a sílaba tônica se encontra demarcada na última sílaba.

Exemplos: café, cipó, coração, armazém...

Paroxítonas – aquelas em que a tonicidade está representada pela penúltima sílaba.

Exemplos: caderno – problema – útil – automóvel...

Proparoxítonas – a sílaba tônica encontra-se representada pela antepenúltima sílaba.

Exemplos: lâmpada – ônibus – cárcere – cônego...

Monossílabos átonos e tônicos

Os vocábulos que possuem apenas uma sílaba - ora caracterizados como monossílabos - também são proferidos de modo mais e/ou menos intenso. De modo a compreendermos como se efetiva tal ocorrência, analisemos:

Que lembrança darei ao país que me deu
tudo o que lembro e sei, tudo quanto senti?
(Carlos Drummond de Andrade)

Atendo-nos a uma análise, percebemos que os monossílabos “que”, “ao”, “me”, “o”, “e” são átonos, visto que são pronunciados tão fracamente que se apoiam na palavra subsequente. Já os monossílabos representados por “deu” e “sei” demonstram ser dotados de autonomia fonética, caracterizando-se, portanto, como tônicos.

Regras fundamentais:

Monossílabos tônicos

Graficamente, se acentua os monossílabos terminados em:

-a(s): chá, pá...
-e(s): pé, ré,...
-o(s): dó, nó...

Entretanto, os monossílabos: tu, noz, vez, par, quis, etc., não são acentuados.

Observações passíveis de nota:

* Os monossílabos tônicos formados por ditongos abertos -éis, -éu, -ói recebem o acento:

Exemplos: réis, véu, dói.

* No caso dos verbos monossilábicos terminados em-ê, a terceira pessoa do plural termina em eem. Esta regra se aplica à nova ortografia, perceba.

Ele vê - Eles veem
Ele crê – Eles creem
Ele lê – Eles leem

Forma verbal que antes era acentuada, agora é grafada sem o sinal gráfico.

* Diferentemente ocorre com os verbos monossilábicos terminados em “-em”, haja vista que a terceira pessoa termina em “-êm”, embora acentuada. Perceba:

Ele tem – Eles têm
Ela vem – Elas vêm

* Oxítonas:

Acentuam-se todas as oxítonas terminadas em a, e, o, seguidas ou não de “s”.

Pará, café, carijó, armazém, parabéns...

* Paroxítonas:

Acentuam-se todos os vocábulos terminados em:

-l: amável, fácil, útil...
-r: caráter, câncer...
-n: hífen, próton...
Observação: Quando grafadas no plural, não recebem acento: polens, hífens...
-x: látex, tórax...
-ps: fórceps, bíceps...
-ã(s): ímã, órfãs...
-ão(s): órgão, bênçãos...
-um(s): fórum, álbum...
-on(s): elétron, nêutron...
-i(s): táxi, júri...
-u(s): Vênus, ônus...
-ei(s): pônei, jóquei...
-ditongo oral(crescente ou decrescente), seguido ou não de “s”:
história, série, água, mágoa...

Observações importantes:

a) De acordo com a nova ortografia, os ditongos terminados em –ei e –oi, não são mais acentuados. Perceba como eram antes e como agora se grafam:



Entretanto, o acento ainda permanece nas oxítonas terminadas em –éu, -ói e éis:

chapéu – herói - fiéis...

b) Não serão mais acentuados o “i” e “u” tônicos, quando depois de ditongo formarem hiato: Note:


No entanto, o acento permanece se a palavra for oxítona e o “i” ou “u” estiverem seguidos de “s” ou no final da palavra. Confira:

Piauí – tuiuiú(s) – sauí(s)...

O mesmo acontece com o “i” e o “u” tônicos dos hiatos, não antecedidos de ditongos:

saída – saúde – juíza – saúva – ruído...

* As formas verbais que possuem o acento na raiz com o “u” tônico precedido das letras “q” e “g” e seguido de “e” ou “i” não serão mais acentuadas. Como por exemplo:


Atenção:

- Quando o verbo admitir duas pronúncias diferentes, usando “a” ou “i” tônicos, essas vogais serão acentuadas:
Exemplos:

eu águo, eles águam, eles enxáguam (a tônico); eu delínquo, eles delínquem (í tônico).
tu apazíguas, que eles apazíguem.

- Se a tônica, na pronúncia, cair sobre o u, ele não será acentuado:
Exemplos:

Eu averiguo, eu aguo.

* Não será mais usado o acento agudo para diferenciar determinados vocábulos, tais como:



Contudo, o acento permanece para diferenciar algumas palavras, representadas por:

pôde = 3ª pessoa do pretérito perfeito do indicativo (verbo poder)
pode = 3ª pessoa do presente do indicativo (verbo poder)

pôr = verbo
por = preposição