Você está aqui: Página Inicial » Literatura » Gêneros Literários » Recursos da linguagem poética

Gêneros Literários

Texto:
por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Recursos da linguagem poética








Métrica, ritmo e rima são alguns dos recursos inerentes à linguagem poética
Métrica, ritmo e rima são alguns dos recursos inerentes à linguagem poética.

Os versos drummondianos, adornados de rara beleza, muito nos revelam acerca da arte do fazer poético, ressaltando:
[...]
Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível que lhe deres:
Trouxeste a chave?

Repara:
ermas de melodia e conceito
elas se refugiaram na noite, as palavras.
Ainda úmidas e impregnadas de sono,
rolam num rio difícil e se transformam em desprezo.


A última estrofe parece traduzir o sentido único da discussão que ora nos propomos a traçar, haja vista que estamos nos referindo tão somente à linguagem poética, aquela em que o artista, lançando mão da matéria-prima que constitui seu labor, cria, reconstrói uma realidade, por meio de um trabalho especial com a própria palavra.

Assim, Cassiano Ricardo já dizia que a poesia é uma ilha cercada de palavras por todos os lados, mas que, no entanto, segundo Drummond, se ermas de melodia e conceito elas se refugiam na noite, rolam num rio difícil.

Esse trabalho especial com a linguagem se dá por meio de uma criteriosa seleção e combinação de sons, de ritmo, de melodia. Aspectos estes que se manifestam, sobretudo, pelo uso de alguns recursos considerados formais, dada a presença também de outros, de ordem estilística. Nesse sentido, certifiquemo-nos de alguns deles, levando em conta os principais aspectos que os norteiam:

Métrica

Escandir um verso significa medi-lo de acordo com o número de sílabas poéticas que apresenta. Sílabas estas em que nada se assemelham com as sílabas gramaticais, visto que na escansão o verso é considerado como um todo, como se fosse uma única palavra. Dessa forma, as sílabas são separadas de acordo com a intensidade com que são pronunciadas, sendo que a contagem se encerra sempre na última sílaba tônica. Havendo o encontro de duas vogais átonas, ocorrerá uma espécie de ditongo dentro do verso – o que permite que elas pertençam a uma única sílaba.

De acordo com o número de sílabas que apresentam, os versos recebem distintas classificações, sendo elas assim materializadas:

Monossílabos
Dissílabos
Trissílabos
Tetrassílabos
Pentassílabos (ou redondilha menor)
Hexassílabos (heroico quebrado)
Heptassílabos (redondilha maior)
Octossílabos
Eneassílabos
Decassílabos (medida nova)
Hendecassílabos
Dodecassílabos (ou alexandrinos)


Assim, constatemos na prática como se dá a escansão de um verso, apoiando-nos em alguns deles, por sinal bastante conhecidos:

Mi/nha/ ter/ra/ tem/pal/mei/ras (Gonçalves Dias)
1     2     3    4     5     6     7

Constatamos, portanto, que este se trata de um verso heptassílabo, o qual se constitui de sete sílabas poéticas.

Al/ma/ mi/nha/ gen/til /que/ te/ par/tis/te (Camões)
1   2      3    4       5    6    7     8    9    10

Dez sílabas poéticas, logo, decassílabo.


Ritmo

Contextualizando-nos à época modernista, verificamos que muitas das criações ali presentes são destituídas de métrica (versos livres), bem como de rimas (verso bancos). Mas não há como negar: um poema pode perfeitamente ser constituído de tais aspectos, a depender da época em que foi construído, mas o que ele não pode deixar de ter chama-se ritmo – a grande marca desta modalidade textual. Ele, por sua vez, é determinado pela alternação uniforme de sílabas tônicas (fortes) e não tônicas (fracas), dispostas em cada verso de uma composição poética, bem como pelos recursos utilizados pelo poeta e pela forma como ele os organiza dentro de seu texto, com vistas a produzir o efeito desejado com a mensagem. Assim, podemos dizer que cada poema possui um ritmo próprio, tendo em vista as intenções a que se deseja obter com a mensagem. No intuito de atestá-las, verifiquemos as palavras de Manuel Bandeira, presentes na Canção do vento e da minha vida:

O vento varria as folhas,
O vento varria os frutos,
O vento varria as flores…
E a minha vida ficava
Cada vez mais cheia
De frutos, de flores, de folhas.
O vento varria as luzes,
O vento varria as músicas,
O vento varria os aromas…
E a minha vida ficava
Cada vez mais cheia
De aromas, de estrelas, de cânticos.
[...]



Temos que a presença da aliteração, caracterizada pela repetição do fonema /v/, revela-nos o som decorrente do ato de varrer.


Rima

Considera-se que a rima em muito demarca o ritmo do poema, conferindo-lhe a musicalidade e a melodia necessárias. A rima se caracteriza pela semelhança sonora das palavras, podendo ser retratada no final ou no interior dos versos e em posições variadas. De acordo com essas posições, as rimas podem se apresentar como:

Alternadas (ABAB):

Lembrança de morrer (Álvares de Azevedo)

Se uma lágrima as pálpebras me inunda, A
Se um suspiro nos seios treme ainda, B
É pela virgem que sonhei!... que nunca A
Aos lábios me encostou a face linda! B



Interpoladas ou cruzadas (ABBA):

Soneto de fidelidade (Vinícius de Moraes)


De tudo, ao meu amor serei atento A
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto B
Que mesmo em face do maior encanto B
Dele se encante mais meu pensamento A

[...]


Emparelhadas (AABB) e mistas, apresentando outros tipos de combinações

Vagueio campos noturnos A
Muros soturnos A
Paredes de solidão B
Sufocam minha canção B

                                      Ferreira Gullar