Fábula

Por Rafael Camargo de Oliveira

Fábula é um texto predominantemente narrativo, quase sempre breve e em prosa, com personagens sem muita complexidade e história de caráter ético e moral.

A fábula é um gênero textual muito utilizado no processo de formação ética e moral dos indivíduos.
A fábula é um gênero textual muito utilizado no processo de formação ética e moral dos indivíduos.

A fábula é um texto narrativo de tendências didáticas muito utilizado no ensino de valores éticos e morais. Atualmente, ela é muito trabalhada nas escolas, principalmente nos anos iniciais, no intuito de demonstrar a importância de certos aspectos morais considerados socialmente essenciais em nosso tempo.

A discussão sobre a conduta do ser humano é antiga, o que pode ser demonstrado pela fábula, cuja possível origem foi estabelecida por Esopo, autor que viveu na Grécia entre os anos 620-560 a.C., quando já se tinha preocupações pedagógicas em relação à educação dos povos.

Leia também: Conto — gênero marcado pela brevidade do enredo

Resumo sobre a fábula

  • É um gênero textual predominantemente narrativo simples e pragmático, com personagens sem grande complexidade e com finalidade ética e moral.

  • Pode ser compreendida com base em dois planos estruturais: o narrativo e o moral. O primeiro diz respeito à estrutura de apresentação, complicação, clímax e desfecho da história. O segundo se refere aos ensinamentos morais de cunho didático presentes ao final da narrativa.

  • Dos autores mais conhecidos das fábulas, destacamos Esopo, Fedro e La Fontaine. Eles são os autores de obras como A cigarra e a formiga, A lebre e a tartaruga e O lobo e o cordeiro.

O que fábula?

A fábula é, segundo o Dicionário de gêneros textuais, uma narrativa breve, simples, pragmática e com personagens sem grande nível de complexidade. Ela é um texto que tem como finalidade uma formação ética e moral em seu leitor, pois evidencia determinados valores socioculturais em seu conteúdo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características e estrutura da fábula

Com relação às características, podemos elencar os seguintes elementos sobre a fábula:

  • Trata-se de uma narrativa breve, apresentando poucos personagens com pouca (ou nenhuma) complexidade e diversas relações alegóricas.

  • Apresenta uma interação entre personagens, que podem ser pessoas, animais ou seres inanimados, sendo que todos eles têm características humanas (os animais e objetos são antropomorfizados).

  • Apresenta uma reflexão de ordem moral (moral da história) geralmente de maneira explícita ao fim do texto. Assim, a fábula possui elementos didáticos bem definidos em sua composição, como a presença de uma linguagem clara e acessível.

Do ponto de vista estrutural, o linguista José Luiz Fiorin divide a fábula em dois planos: o narrativo e o moral.

  • Plano narrativo: refere-se à narração propriamente dita, com a apresentação das personagens e enredo, complicação, clímax e desfecho. Nesse plano, segue-se as características básicas do texto predominantemente narrativo.

  • Plano moral: é a parte final. Pode-se dizer que o fim da fábula não é propriamente o seu desfecho, mas o seu plano moral. De acordo com Fiorin, é nessa parte que se reitera o significado da narração, pois, nas palavras do linguista, “a fábula é sempre uma história de homens, mesmo quando os personagens são animais, pois estes falam, sentem paixões humanas (…) o que indica que são personificações dos seres humanos”. Assim, o conteúdo da fábula está sempre relacionado à vida dos seres humanos e, por isso, é alegórico.

Leia também: Personificação — a figura de linguagem que atribui características humanas a seres não humanos

Autores e fábulas famosas

As fábulas se constituíram há muitos anos, desde a Grécia Antiga, como um mecanismo didático-pedagógico direcionado aos cidadãos na intenção de ressaltar valores ético-morais importantes. O primeiro grande fabulista de que temos registro foi Esopo, escravizado e contador de histórias que viveu na Grécia entre 620-560 a.C. A cigarra e a formiga, A lebre e a tartaruga e O lobo e o cordeiro são algumas das fábulas mais famosas desse autor.

Fedro foi outro fabulista cuja produção sobreviveu ao tempo. Ele viveu em Roma, no século I d.C. Já La Fontaine é o mais contemporâneo dos três. Ele viveu na França do século XVI e é considerado o pai da fábula moderna, enquanto Esopo seria o grande criador do gênero.

Com relação às fábulas produzidas por Fedro e La Fontaine, muitas delas foram reinterpretações para as suas respectivas épocas de obras como A cigarra e a formiga ou A lebre e a tartaruga, criadas originalmente por Esopo. Pode-se dizer que esse processo de releitura na produção clássica de Esopo ajudou a tornar essas fábulas famosas.

Como se faz uma fábula?

Para fazer uma fábula é preciso, em primeiro lugar, definir o aspecto didático-pedagógico a ser transmitido. Em outros termos, é preciso saber o porquê da fábula. O que o autor pretende? Ressaltar a importância de se ter coragem, ou as consequências da desonestidade? É com base nessa definição de orientação ética e moral que o autor deve direcionar seu enredo e seus personagens.

Assim, em segundo lugar, com as definições pedagógicas esclarecidas, o autor precisa definir o seu enredo, o espaço e as personagens que vão compor a sua história. Quem são? Onde estão? O que estão fazendo? Essas são as perguntas que ajudarão nessa etapa.

Em terceiro, durante o processo de escrita, é importante atentar-se para a linguagem utilizada no texto. Ela precisa ser simples e breve, e seu conteúdo é claro. Em uma fábula, não há espaço para questões controversas por conta de suas características e viés didático.

Por fim, em quarto lugar, vem o que o linguística Fiorin chamou de plano moral. A moral da história vem após a narrativa do texto e deve ser sucinta e clara ao leitor. Ela pode também conter elementos alegóricos presentes na narrativa e retomados ao final.

Leia também: Romance — a forma literária mais popular do Ocidente

Exemplos de fábulas

Confira, a seguir, alguns exemplos de fábulas e uma breve análise de sua composição.

  • As raposas e as uvas

Uma raposa estava com muita fome e viu uma cacho de uvas numa latada. Quis pegá-lo, mas não conseguiu. Ao se afastar, disse para si mesma:

— Estão verdes.

Moral da história:

O homem que culpa as circunstâncias fracassa e não vê que o incapaz é ele mesmo.

Esopo

Em A raposa e as uvas, temos uma personagem antropomorfizada (a raposa) que começa a cobiçar as uvas que se apresentam ao alto. O enredo é simples e a única coisa que sabemos da personagem é que se trata de uma raposa.

Se pensarmos na composição da história, há, de forma sucinta, uma apresentação (a raposa que chega a uma latada), a complicação (as uvas estão distantes e, mesmo assim, ela as cobiça), o clímax (ela se afasta sabendo que não vai conseguir) e o desfecho (desdenha da fruta ao dizer “estão verdes”). Esse é o plano da narração. Quanto ao plano da moral, o narrador expõe que aquele que muito deseja algo e não consegue acaba, por incapacidade ou incompetência, desdenhando o objeto de desejo.

  • A tartaruga e a lebre

Uma tartaruga e uma lebre discutiam para saber quem era a mais veloz. Por isso, combinaram uma data para uma corrida e um local aonde deveriam chegar. No dia certo, partiram. A lebre, que contava com sua rapidez natural, não se preocupou com a corrida. Caiu à beira de uma estrada e adormeceu. Já a tartaruga, que sabia quão lenta era, não perdeu tempo e, deixando a lebre dorminhoca para trás, venceu a aposta.

Moral da história:

O talentoso com preguiça perde para quem enfrenta a liça.

Esopo

Em A tartaruga e a lebre, há dois personagens (também antropomorfizados) em cena: a tartaruga e a lebre. O conflito se dá na discussão sobre quem é mais veloz, e isso acarreta uma disputa entre ambas. No dia da corrida, o desfecho narrativo se dá pela despreocupação e preguiça da lebre, que resolveu dormir e se esqueceu da corrida, e, dessa forma, a tartaruga vence. Ao fim, a moral vem em uma sentença: “o talentoso com preguiça perde para quem enfrenta a liça”. Em outros termos, não basta ser talentoso, mas ter preguiça, pois aquele que não tiver talento, mas tiver vontade, pode se sobressair.

Videoaula sobre fábula, apólogo e parábola

Exercícios resolvidos sobre fábula

Questão 1

(Unirg TO/2017)

A cabra e o asno

Viviam no mesmo quintal. A cabra ficou com ciúme, porque o asno recebia mais comida. Fingindo estar preocupada, disse:

Que vida a sua! Quando não está no moinho, está carregando fardo. Quer um conselho? Finja um mal-estar e caia num buraco.

O asno concordou, mas, ao se jogar no buraco, quebrou uma porção de ossos. O dono procurou socorro.

Se lhe der um bom chá de pulmão de cabra, logo estará bom — disse o veterinário.

A cabra foi sacrificada e o asno ficou curado.

QUEM CONSPIRA CONTRA OS OUTROS TERMINA FAZENDO MAL A SI PRÓPRIO

(Almanaque do Brasil de cultura popular, ano 5, n.55, out. 2003, p-29.)

Reconhecemos no texto o gênero textual:

a) crônica

b) apólogo

c) fábula

d) conto

Resolução: letra C

Para responder à questão, é importante retomarmos as principais características do gênero textual fábula. A fábula apresenta uma história curta, com personagens sem grande complexidade e com um viés educativo (moral). Em A cabra e o asno, temos um diálogo entre dois animais (antropomorfizados) envolvendo os ciúmes que a cabra sente do asno. Há, ao final, uma lição moral (ou plano moral) com a seguinte frase: “quem conspira contra os outros termina fazendo mal a si próprio”. Assim, o texto apresenta uma narrativa simples, curta, personagens superficiais e uma lição moral ao fim, caracterizando, portanto, uma fábula.

Questão 2

Leia o texto e responda à questão a seguir.

Cada um dos deuses se casou com a mulher que o destino lhes havia reservado. Quando foi a vez do deus Guerra, só havia sobrado a Violência: ele se apaixonou loucamente por ela e a desposou. Desde então, ele a acompanha por toda parte.

A violência impera numa cidade ou entre as nações, trazendo guerra e discórdia.

Guerra e violência, Esopo

A narrativa acima pode ser considerada uma fábula, pois

a) apresenta animais antropomorfizados.

b) trata de temas universais, como guerra e violência.

c) traz elementos de complexidade para a narrativa e para as personagens.

d) tem caráter educativo e moralizador ao tratar dos temas guerra e violência.

Resolução: letra D. A fábula pode apresentar personagens animais antropomorfizados ou não. Sendo assim, a alternativa A está incorreta, pois não é unicamente a presença ou não de animais antropomorfizados que definirá o texto como fábula. A fábula, por ser educativa e voltada para uma população (Grécia e Roma fizeram uso constante dela para educar seu povo), trata de questões universais. No entanto, outros textos também o fazem, não sendo, portanto, suficiente apenas esse elemento no texto. A alternativa B também está incorreta. A alternativa C é incorreta porque a fábula não apresenta profundidade sobre as personagens ou sobre a narrativa. Na alternativa D, temos a principal característica da fábula, o seu caráter educativo e moralizador.  

Mais procurados

TCC

Conheça nossas dicas para entender sobre a dedicatória em um TCC.

Uso dos porquês

Conte com o artigo para não errar mais o uso dos porquês.

Hiato

Saiba como separar as sílabas das palavras que possuem hiato.

Vogal temática

Toda palavra possui uma vogal temática: mito ou verdade?

Complementos verbais

Que tal fazer uma revisão sobre complementos verbais agora?

Mais procurados background