Romantismo no Brasil

Por Warley Souza

O Romantismo no Brasil teve início em 1836, com a publicação do livro Suspiros poéticos e saudades, de Gonçalves de Magalhães. Foi resultado de um contexto histórico que levou à Independência do Brasil, em 1822, e despertou nos artistas brasileiros o sentimento de nacionalismo, marcante na primeira geração da poesia romântica.

A poesia romântica brasileira é dividida em três gerações: indianista, enaltecedora do heroísmo indígena; ultrarromântica, centrada nas temáticas do amor e morte; e condoreira, de cunho social.

Já a prosa é separada em quatro tipos: urbana, cujo enredo se passa no Rio de Janeiro; regionalista, em que o espaço da narrativa é o interior do país; histórica, de ficção atrelada a um fato histórico; e indianista, em que o índio é consagrado herói nacional.

Leia também: Arcadismo – estética literária anterior ao Romantismo

Contexto histórico do Romantismo no Brasil

O imperador francês Napoleão Bonaparte (1769-1821) ameaçou invadir Portugal caso esse país não fechasse os portos aos ingleses. Como a Inglaterra era uma aliada antiga e poderosa, os portugueses se viram divididos entre duas potências. Sem querer desagradar a nenhum dos lados, a solução encontrada foi fugir para o Brasil. Assim, em 1807, D. João VI (1767-1826) e sua corte saíram de Portugal, chegando ao Rio de Janeiro em 1808. Devido a isso, a cidade começou a se desenvolver.

Assim, em 1815, o Brasil deixou oficialmente a condição de colônia para se tornar um reino. No entanto, a independência só foi proclamada em 7 de setembro de 1822. Esse acontecimento histórico fortaleceu o sentimento de nacionalidade e inspirou os artistas a delinearam a identidade brasileira. Desse modo, em 1836, o Romantismo foi inaugurado no Brasil com a obra Suspiros poéticos e saudades, de Gonçalves de Magalhães.

A representação da Proclamação da Independência do Brasil pelo pintor Pedro Américo.
A representação da Proclamação da Independência do Brasil pelo pintor Pedro Américo.

Características do Romantismo no Brasil

O Romantismo no Brasil nasceu a partir do desejo de definir uma identidade brasileira e estimular o nacionalismo de seus cidadãos. Nessa perspectiva, houve a necessidade de determinar os símbolos nacionais, de forma a forjar uma identidade sem a influência portuguesa. Portanto, os índios e a natureza brasileira foram escolhidos como símbolos da nação. O índio tornou-se, então, uma figura literária heroica em harmonia com a natureza exuberante do Brasil.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Mas o Romantismo brasileiro não se limita ao indianismo, ele é composto por fases; cada uma, com características específicas. Desse modo, a produção poética é dividida em três gerações: indianista, ultrarromântica e condoreira. Já a prosa é caracterizada por quatro tipos diferentes: urbana, regionalista, histórica e indianista. E, além da poesia e da prosa, o Brasil também assistiu, nesse período, ao surgimento do teatro romântico.

De forma geral, as obras românticas apresentam as seguintes características:

  • Subjetividade;
  • Individualismo;
  • Teocentrismo;
  • Amor idealizado;
  • Mulher idealizada;
  • Exagero sentimental;
  • Maior liberdade formal, com exceção da 1a geração romântica;
  • Uso exagerado de exclamações, interrogações e reticências;
  • Defesa de valores burgueses, como coragem, amor e liberdade.

Veja também: Parnasianismo – estética literária que combatia o sentimentalismo romântico

Fases da poesia romântica no Brasil

A poesia romântica é dividida em três gerações: indianista ou nacionalista, ultrarromântica ou mal do século, e condoreira. A seguir, vamos ver as características de cada uma delas.

O luto vivido pela perda da pessoa amada é um tema recorrente na 2ª geração romântica. (IMAGEM PRINCIPAL, se for possível)
O luto vivido pela perda da pessoa amada é um tema recorrente na 2ª geração romântica.

1a geração da poesia romântica: indianista ou nacionalista

O índio é o herói da 1a geração romântica da poesia brasileira.

Temas e características:

  • Amor idealizado;
  • Mulher idealizada;
  • Figura heroica: índio brasileiro;
  • Floresta como símbolo nacional;
  • Rigor formal: metrificação e rima;
  • Idealização da natureza;
  • Cor local: características geográficas e culturais.

Principais autores

  • Gonçalves de Magalhães (1811-1882);
  • Gonçalves Dias (1823-1864).

Principais obras

  • Suspiros poéticos e saudades (1836), de Gonçalves de Magalhães;
  • Últimos cantos (1851) e Os timbiras (1857), de Gonçalves Dias.

2a geração da poesia romântica: ultrarromântica, byroniana|1| ou mal do século

Características

  • Escapismo;
  • Pessimismo;
  • Saudosismo;
  • Egocentrismo.
  • Evasão na morte;
  • Sofrimento amoroso;
  • Exagero sentimental;
  • Idealização da vida, da mulher e do amor;
  • “Mal do século”: tédio, desilusão e melancolia;
  • Isolamento social do poeta: o gênio incompreendido e inadaptado;
  • Locus horrendus (lugar tempestuoso): cenário de tempestade e escuridão que reflete a alma do poeta.
O luto vivido pela perda da pessoa amada é um tema recorrente na 2ª geração romântica. (IMAGEM PRINCIPAL, se for possível)
O luto vivido pela perda da pessoa amada é um tema recorrente na 2ª geração romântica.

Temas principais

  • Amor;

  • Morte.

Principais autores

  • Álvares de Azevedo (1831-1852);

  • Casimiro de Abreu (1839-1860);

  • Fagundes Varela (1841-1875).

Principais obras

  • Lira dos vinte anos (1853), de Álvares de Azevedo;

  • As primaveras (1859), de Casimiro de Abreu;

  • Vozes da América (1864) e Cantos e fantasias (1865), de Fagundes Varela.

3a geração da poesia romântica: condoreira|2|

Temas e características

  • Crítica social e política;
  • Sem fuga da realidade;
  • Hipérboles: imagens exageradas;
  • Uso intenso de vocativos e exclamações;
  • Busca despertar a emoção e a ação do leitor e da leitora.
Na 3ª geração romântica, a situação dos africanos escravizados era um importante tema.
Na 3ª geração romântica, a situação dos africanos escravizados era um importante tema.

Principais autores

Principais obras

  • Espumas flutuantes (1870), Gonzaga ou A revolução de Minas (1867) e Os escravos (1883), de Castro Alves;
  • O guesa errante (iniciado em 1858), de Sousândrade.

A prosa romântica

José de Alencar se fez presente em todas as temáticas da prosa romântica.
José de Alencar se fez presente em todas as temáticas da prosa romântica.

A prosa romântica é dividida em quatro tipos: urbana, regionalista, histórica e indianista. A seguir, vamos ver as características de cada uma delas.

Prosa urbana

Temas e características

  • Melodramática;
  • Amor idealizado;
  • Mulher idealizada;
  • Público-alvo feminino;
  • Espaço da ação: Rio de Janeiro;
  • Divulga os valores morais burgueses;
  • Representação dos costumes da elite burguesa;
  • Herói ou heroína enfrenta obstáculos para encontrar a felicidade.

Principais autores

  • Joaquim Manuel de Macedo (1820-1882);
  • José de Alencar (1829-1877);
  • Manuel Antônio de Almeida (1830-1861).

Principais obras

  • A moreninha (1844) e A luneta mágica (1869), de Joaquim Manuel de Macedo;
  • Lucíola (1862) e Senhora (1875), de José de Alencar;
  • Memórias de um sargento de milícias (1854), de Manuel Antônio de Almeida.

Prosa regionalista

Temas e características

  • Amor idealizado;
  • Mulher idealizada;
  • Uso de termos regionais;
  • Herói nacional: o homem do interior;
  • Cor local: características culturais e regionais;
  • Paisagens e personagens típicos de regiões brasileiras;
  • Sociedade rural e patriarcal, com valores distintos da urbana;
  • O herói é um homem rude que enfrenta as dificuldades do espaço em que vive.

Principais autores

  • José de Alencar (1829-1877);
  • Visconde de Taunay (1843-1899);
  • Franklin Távora (1842-1888);
  • Bernardo Guimarães (1825-1884);
  • Maria Firmina dos Reis (1822-1917).

Principais obras

  • O gaúcho (1870), O tronco do ipê (1871), Til (1871) e O sertanejo (1875), de José de Alencar;
  • Inocência (1872), de Visconde de Taunay;
  • O Cabeleira (1876), de Franklin Távora;
  • A escrava Isaura (1875), de Bernardo Guimarães;
  • Úrsula (1859), de Maria Firmina dos Reis.

Prosa histórica

Temas e características

  • Amor idealizado;
  • Mulher idealizada;
  • Caráter nacionalista;
  • Tempo da narrativa é sempre o tempo passado;
  • Temática central associada a um ou mais fatos históricos;
  • Personagens históricos convivem com personagens ficcionais;
  • Fatos históricos são essenciais na construção do enredo, não apenas pano de fundo.

→ Principal autor

  • José de Alencar.

Principais obras

  • Iracema (1865)|3|, As minas de prata (1866) e A guerra dos mascates (1873), de José de Alencar.

Prosa indianista

Temas e características

  • Amor idealizado;
  • Mulher idealizada;
  • Figura heroica: índio brasileiro;
  • Floresta como símbolo nacional;
  • Idealização da natureza;
  • Reconstituição do passado histórico brasileiro;
  • Cor local: características geográficas e culturais;
  • Miscigenação como símbolo de harmonia entre colonizado e colonizador;
  • Vassalagem amorosa: indígena (vassalo), senhor ou senhora (suserano/ suserana).

Principal autor

  • José de Alencar.

Principais obras

  • O guarani (1857), Iracema (1865) e Ubirajara (1874), de José de Alencar.

Acesse também: Realismo – estética literária que teve na prosa sua principal forma de expressão

Exercícios resolvidos

Questão 01 - (Enem) No trecho abaixo, o narrador, ao descrever a personagem, critica sutilmente um outro estilo de época: o Romantismo.

“Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos; era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça, e, com certeza, a mais voluntariosa. Não digo que já lhe coubesse a primazia da beleza, entre as mocinhas do tempo, porque isto não é romance, em que o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas; mas também não digo que lhe maculasse o rosto nenhuma sarda ou espinha, não. Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, que o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da criação.”

ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. Rio de Janeiro: Jackson,1957.

A frase do texto em que se percebe a crítica do narrador ao Romantismo está transcrita na alternativa:

a) ... o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas ...

b) ... era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça ...

c) Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, ...

d) Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos ...

e) ... o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da criação.

Resolução

Alternativa A.

No Romantismo, o autor “sobredoura a realidade”, isto é, engrandece, idealiza a realidade, não a mostra como ela de fato é.

Questão 02 (Enem)

Texto I

Se eu tenho de morrer na flor dos anos,

Meu Deus! não seja já;

Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde,

Cantar o sabiá!

Meu Deus, eu sinto e bem vês que eu morro

Respirando esse ar;

Faz que eu viva, Senhor! dá-me de novo

Os gozos do meu lar!

Dá-me os sítios gentis onde eu brincava

Lá na quadra infantil;

Dá que eu veja uma vez o céu da pátria,

O céu de meu Brasil!

Se eu tenho de morrer na flor dos anos,

Meu Deus! Não seja já!

Eu quero ouvir cantar na laranjeira, à tarde,

Cantar o sabiá!

ABREU, C. Poetas românticos brasileiros. São Paulo: Scipione, 1993.

Texto II

A ideologia romântica, argamassada ao longo do século XVIII e primeira metade do século XIX, introduziu-se em 1836. Durante quatro decênios, imperaram o “eu”, a anarquia, o liberalismo, o sentimentalismo, o nacionalismo, através da poesia, do romance, do teatro e do jornalismo (que fazia sua aparição nessa época).

MOISÉS, M. A literatura brasileira através dos textos. São Paulo: Cultrix, 1971 (fragmento).

De acordo com as considerações de Massaud Moisés no Texto II, o Texto I centra-se

a) no imperativo do “eu”, reforçando a ideia de que estar longe do Brasil é uma forma de estar bem, já que o país sufoca o eu lírico.

b) no nacionalismo, reforçado pela distância da pátria e pelo saudosismo em relação à paisagem agradável onde o eu lírico vivera a infância.

c) na liberdade formal, que se manifesta na opção por versos sem métrica rigorosa e temática voltada para o nacionalismo.

d) no fazer anárquico, entendida a poesia como negação do passado e da vida, seja pelas opções formais, seja pelos temas.

e) no sentimentalismo, por meio do qual se reforça a alegria presente em oposição à infância, marcada pela tristeza.

Resolução

Alternativa B.

O texto I é centrado no nacionalismo, pois o eu lírico diz que quer morrer em seu país, por isso pede a Deus que “não seja já”, pois está distante de sua pátria. Os elementos nacionais brasileiros são a laranjeira e o sabiá. Ele chama o Brasil de “meu lar” e diz querer rever o céu de sua pátria, o céu do Brasil. Tudo isso mostra que o eu lírico está longe de seu país e tem saudade de sua terra, dos “sítios gentis” onde ele brincava quando criança.

Questão 03 (Enem)

Soneto

Já da morte o palor me cobre o rosto,
Nos lábios meus o alento desfalece,
Surda agonia o coração fenece,
E devora meu ser mortal desgosto!

Do leito embalde no macio encosto
Tento o sono reter!... já esmorece
O corpo exausto que o repouso esquece...
Eis o estado em que a mágoa me tem posto!

O adeus, o teu adeus, minha saudade,
Fazem que insano do viver me prive
E tenha os olhos meus na escuridade.

Dá-me a esperança com que o ser mantive!
Volve ao amante os olhos por piedade,
Olhos por quem viveu quem já não vive!

AZEVEDO, A. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2000.

O núcleo temático do soneto citado é típico da segunda geração romântica, porém configura um lirismo que o projeta para além desse momento específico. O fundamento desse lirismo é

a) a angústia alimentada pela constatação da irreversibilidade da morte.

b) a melancolia que frustra a possibilidade de reação diante da perda.

c) o descontrole das emoções provocado pela autopiedade.

d) o desejo de morrer como alívio para a desilusão amorosa.

e) o gosto pela escuridão como solução para o sofrimento.

Resolução

Alternativa B.

No soneto de Álvares de Azevedo, o eu lírico manifesta melancolia causada pelo afastamento do ser amado. Devido à mágoa (dor), ele está abatido sobre a cama. E a causa dessa dor é o adeus da pessoa amada, isto é, ela se foi. Assim, deprimido, o eu lírico não consegue reagir.

Notas

|1| Inspirada em Lord Byron (1788-1824), poeta britânico.

|2| O condor é símbolo de liberdade e também é metáfora para o poeta da terceira geração romântica.

|3| Um romance histórico pode ser também indianista, como é o caso de Iracema, em que a temática indianista está atrelada à temática histórica.

Mais procurados

Uso dos porquês

Conte com o artigo para não errar mais o uso dos porquês.

Hiato

Saiba como separar as sílabas das palavras que possuem hiato.

Vogal temática

Toda palavra possui uma vogal temática: mito ou verdade?

Complementos verbais

Que tal fazer uma revisão sobre complementos verbais agora?

Carteira de Estudante no Brasil Escola

Acesse e saiba como solicitar a sua carteirinha de estudante Brasil Escola. É rápido e fácil!

Mais procurados background

Artigos Relacionados