Você está aqui:
  1. Página Inicial
  2. Gramática
  3. Morfologia
  4. Os verbos e o pronome “se” – dicas relevantes

Morfologia

Texto:
Por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

Os verbos e o pronome “se” – dicas relevantes








Duas ocorrências linguísticas retratam o ápice da discussão que ora nos propomos a evidenciar. Para tanto, voltemos nosso olhar aos enunciados subsequentes:



Ambos constituem-se do pronome oblíquo “se”, mas, na verdade, a presença desse pronome obedece a critérios distintos, aos quais, necessariamente, devemos estar atentos, de modo a evitarmos possíveis equívocos.

Você se lembra das regras relacionadas aos tipos de sujeito inexistente? Uma delas se evidencia quando o verbo se encontra na terceira pessoa do singular, acompanhado do referido pronome. Dessa forma, ao analisarmos o primeiro exemplo, constatamos que ele representa tal ocorrência, basicamente por dois motivos:

- Pelo fato de o verbo encontrar-se na terceira pessoa do singular (precisa);

- E pelo fato de o verbo “precisar” se classificar como transitivo indireto, pois “quem precisa, precisa de algo”. Assim sendo, temos que o objeto indireto é representado pelo termo “de funcionários”.

Tais pressupostos fazem com que o pronome “se” se caracterize como índice de indeterminação do sujeito.

Mas há outros dois casos, relacionados à transitividade verbal, que também se aplicam à mesma ocorrência. Vejamo-los:

* Quando o verbo for de ligação. Como no exemplo a seguir:

 Era-se mais feliz aqui.

 * No caso de o verbo ser intransitivo. Perfeitamente constatável em:

  Quando se é persistente, luta-se em prol dos verdadeiros objetivos.

Notamos que se o discurso somente se referisse a “quando se é persistente, luta-se”, a interlocução materializar-se-ia de forma plausível. Portanto, o restante do enunciado retrata somente um complemento.


Agora, fazendo referência ao segundo enunciado (“Alugam-se apartamentos à beira-mar”), mediante uma análise sintática desse, constatamos que o termo expresso por “apartamentos à beira-mar” representa o sujeito da oração, quando transformamos a oração, uma vez expressa na voz passiva sintética, na voz passiva analítica. Dessa forma, obteríamos como resultado:

Apartamentos à beira-mar são alugados.

Frente a tais elucidações, vale mencionar que o “se”, dessa vez, classifica-se como pronome apassivador, posto que acompanha verbos transitivos diretos (no caso em questão, o verbo alugar) e transitivos diretos e indiretos na formação da voz passiva sintética.

Eis os pontos que demarcam as ocorrências.


Artigos Relacionados