Tropeços vocabulares: ortografia e semântica

Por Vânia Maria do Nascimento Duarte

A falta de conhecimento acerca da relação entre ortografia e semântica representa uma das razões dos tropeços vocabulares
A falta de conhecimento acerca da relação entre ortografia e semântica representa uma das razões dos tropeços vocabulares

No subtítulo deste artigo há duas palavras vitais à discussão que ora propomos travar – ortografia e semântica. Assim, o assunto que as rege diz respeito aos tropeços vocabulares (que acontece com boa parte dos usuários e, diga-se de passagem, bastante natural), que ocorrem em virtude da falta de conhecimento acerca da relação que se estabelece entre os aspectos ortográficos e semânticos, mutuamente.

Dessa forma, em razão de semelhanças gráficas e sonoras existentes em uma quantidade significativa de palavras, é que devemos estar atentos no que tange a algumas colocações, tanto no que diz respeito à oralidade quanto no que se refere à modalidade escrita da linguagem. Por mais que esses aspectos tendam a se manifestar, temos que conhecer os significados que tais palavras apresentam, para que assim possamos grafá-las de forma adequada.
Partindo de tal premissa, certifiquemo-nos de alguns casos considerados recorrentes:

Aprender (estudar) – apreender (absorver, compreender acerca de um determinado assunto);

Bimensal(algo que ocorre duas vezes por mês) – bimestral (algo que se manifesta a cada dois meses);

Recrear (ter a oportunidade de se divertir, ter recreio) – recriar (relacionado ao ato de criar novamente);

Desfiar (tornar algo reduzido a fios) – desfear (deformar-se com o passar do tempo);

Cardeal (principal prelado) – cardial (relativo à cárdia, orifício que liga o estômago ao esôfago);

Deferimento (concessão) – diferimento (adiantamento);

Prescrever (ordenar, receitar) – proscrever (abolir, extinguir, proibir);

Retaliar(castigar, vingar) – retalhar (cortar em pedaços);

Saldar (liquidar) – saudar (cumprimentar);

Fluir (correr em estado líquido, passar, circular) – fruir (desfrutar, tirar proveito de);

Viagem (deslocamento de alguém de um lugar para outro) – viajem (verbo viajar);

Lactante (que produz leite) – lactente (que ainda mama);

Invicto (que nunca foi vendido, vitorioso) – invito (que procede contra a própria vontade);

Vivido (experiente, que aproveitou a vida) – vívido (que tem vivacidade);

Treplicar (responder a uma réplica) – triplicar (multiplicar por três, tornar três vezes maior).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Mais procurados

Coco, côco ou cocô?

Coco”, “côco” e “cocô” são palavras que causam bastante dúvida na escrita. Estão corretas apenas “coco” e “cocô”.

Liev Tolstói

Ele é um dos principais nomes do realismo em seu país e escreveu livros famosos, como os romances Guerra e paz e Anna Karenina.

Ultrarromantismo

O Ultrarromantismo é um movimento literário que corresponde à segunda fase romântica das literaturas portuguesa e brasileira.

Vim ou vir?

Tanto a forma “vim” quanto a forma “vir” estão corretas, mas cada uma delas é usada em situações específicas.

Memórias póstumas de Brás Cubas

Memórias póstumas de Brás Cubas é o primeiro romance realista de Machado de Assis

Mais procurados background