Você está aqui:
  1. Página Inicial
  2. Gramática
  3. Morfologia
  4. Conjunções subordinativas

Morfologia

Texto:

Conjunções subordinativas



As conjunções subordinativas são palavras invariáveis, cuja função é unir orações, pois uma delas exerce o papel principal, e a outra, o papel de subordinada, ou seja, dependente da primeira para a construção completa de seu sentido. Tendo em vista o tipo de ponte que essas palavras constroem, pode-se diferenciá-las em integrantes e adverbiais.

As conjunções subordinativas integrantes iniciam sintagmas nominais, enquanto a as conjunções adverbiais introduzem sintagmas adverbiais e podem ser classificadas como:

  • causais;

  • condicionais;

  • conformativas;

  • concessivas;

  • comparativas;

  • consecutivas;

  • proporcionais;

  • temporais;

  • finais.

Leia também: Embaixo ou em baixo?

Tipos de conjunções subordinativas

Conjunções subordinativas

Conjunções mais recorrentes

 

Causais

Porque, pois, por isso que, uma vez que, já que, visto que, que, porquanto.

Condicionais

Se, caso, salvo se, desde que, contanto que, dado que, a menos que, a não ser que.

Conformativas

Conforme, segundo, como, consoante.

Concessivas

Por mais que, por menos que, apesar de que, embora, conquanto, mesmo que, ainda que, se bem que.

Comparativas

Mais, menos, menor, maior, pior, melhor, seguidas de que ou do que. Qual depois de tal. Quanto depois de tanto. Como, assim como, como se, bem como, que nem.

Consecutivas

Tal, tão, tamanho, tanto (em uma oração, seguida pelo que em outra oração). De maneira que, de forma que, de sorte que, de modo que.

Proporcionais

À proporção que, ao passo que, à medida que, à proporção que.

Temporais

Depois que, até que, desde que, cada vez que, todas as vezes que, antes que, sempre que, logo que, mal, quando.

Finais

A fim de que, para que.

Integrantes

Que, se.

Classificação e função das conjunções subordinativas

Conjunções causais: iniciam a oração que expressa a razão de um determinado acontecimento exposto em outra oração.

Exemplos

  • Reescreva este trecho da redação, pois está confuso.

  • Elaborei o projeto da minha casa, visto que sou engenheiro.

Conjunções condicionais: iniciam a oração que contém uma condição ou uma hipótese relacionada a um acontecimento expresso em outra oração.

Exemplos

  • Se eu conseguir estudar toda a matéria, poderei sair.

  • Marina cometeu um erro, a menos que haja duas maneiras de fazer este tipo de bolo.

Conjunções conformativas: introduzem uma oração que expressa uma concordância, uma associação com o que está contido na outra oração.

Exemplos

  • Conforme Caetano Veloso canta, “Gente é pra brilhar. Não pra morrer de fome”.

  • Segundos dados do IBGE, o número de idosos deve dobrar até 2042.

Conjunções concessivas: introduzem uma oração na qual se percebe um fato diverso, mas não capaz de anular o que foi estabelecido na outra oração. Há uma convivência entre as duas informações.

Exemplos

  • Apesar de a empresa estar em crise, ela mantém a carga horária dos funcionários.

  • Não sei sobre o que você está falando, embora imagine.

Conjunções comparativas: iniciam uma oração responsável por fazer um paralelo, uma comparação com o que foi manifestado em outra oração.

Exemplos

  • Maria chegou à festa como um belo cisne chega ao lago.

  • Os estudos mostram uma incidência maior de cloreto de sódio nos alimentos industrializados.

  • João teve um desempenho melhor do que Cássio.

Conjunções consecutivas: apresentam uma consequência, um desdobramento de uma informação presente numa outra oração.

Exemplos

  • Os estudos presenciais foram paralisados, de modo que os alunos tiveram um prejuízo no andamento da matéria.

  • A violência dos ladrões foi tamanha que levou a mulher a ter um infarto.

Conjunções proporcionais: introduzem uma oração, cujos acontecimentos são simultâneos, concomitantes, ou seja, ocorrem no mesmo espaço temporal daqueles contidos na outra oração.

Exemplos

  • À medida que a família cresceu, as despesas aumentaram.

  • O curso de Medicina continua atraindo muitas pessoas, ao passo que a maioria delas não sabe sobre as dificuldades enfrentadas pelos médicos.

Conjunções temporais: iniciam uma oração que expressa circunstância de tempo.

Exemplos

  • Quando fui à igreja, encontrei a Chiquinha.

  • Antes que a noite surja, a roupa precisa secar.

Conjunções finais: introduzem uma oração que expõe a finalidade, o objetivo de uma ação presente numa outra oração.

Exemplos

  • Victor, faça a tarefa de casa para que a professora não chame a sua atenção.

  • Escovo os dentes a fim de manter a saúde bucal.

Conjunções integrantes: apresentam uma oração que figura como sujeito, objeto direto ou indireto, predicativo, complemento nominal ou aposto de uma outra oração.

Exemplos

  • Tive receio, percebi que tinha cometido um erro.

  • Veja se me compreende.

Veja também: Demais ou de mais?

Vários sentidos das conjunções

Mesmo que as conjunções subordinativas construam, na maioria das vezes, sentidos específicos, elas são capazes de assumir outros significados de acordo com a situação na qual se encontram. Observe, a seguir, alguns casos que exemplificam esse caráter mutável das conjunções subordinativas:

  • Como

Maria cozinhava como a apresentadora da TV.
(Comparação)

Como era chato, ninguém veio a sua festa.
(Causa)

Como Fernando afirmou, temos que nos unir neste momento difícil.
(Conformidade)

Se não era muito inteligente, ainda assim conseguiu conquistar muitas coisas.
(Concessão)

Se continuar agindo assim, eu vou embora.
(Condição)

  • Se

Se não era muito inteligente, ainda assim conseguiu conquistar muitas coisas.
(Concessão)

Se continuar agindo assim, eu vou embora.
(Condição)

As conjunções subordinativas podem apresentar a função semelhante à dos advérbios.
As conjunções subordinativas podem apresentar a função semelhante à dos advérbios.

O que é conjunção?

As conjunções são palavras que, tais quais os advérbios e preposições, integram uma classe tida como heterogênea, em razão da multiplicidade de formas e funções que exercem. Além disso, destacam-se pelo fato de que compartilham com os advérbios e preposições a característica de serem invariáveis, ou seja, de não se alterarem para moldarem-se ao gênero, pessoa, número, tempo e grau de outros termos que estejam ao seu redor.

Tendo em vista que as classes citadas possuem algumas características iguais, é imprescindível dizer o que, de fato, são as conjunções, de modo a distingui-las das demais. Assim, conjunção é um elemento gráfico, sonoro e semântico que estabelece uma união entre orações ou entre palavras, desde que elas exerçam idênticas funções sintáticas e estejam na mesma oração.

As conjunções podem ser categorizadas como coordenativas, que conectam elementos independentes, ou seja, ligam vocábulos de mesma função gramatical ou orações que apresentem isoladamente uma completa significação. Também podem ser classificadas como subordinativas, as quais conectam duas orações, sendo que uma delas é base para a composição do sentido integral da outra.

As conjunções subordinativas ramificam-se, ainda, em integrantes e adverbiais. As primeiras introduzem sintagmas nominais, ou seja, orações subordinadas, cujas combinações de palavras têm por núcleo um nome. As segundas servem de ponte entre a oração principal e os sintagmas adverbiais, que podem ser entendidos como o arranjo de termos que orbitam ao redor de uma circunstância.

Veja também: Enfim ou em fim?

Exercícios resolvidos

Questão 1 – (ITA 2020) Leia atentamente o trecho destacado e assinale a alternativa correta.

“Levantei-me, encostei-me à balaustrada* e comecei a encher o cachimbo, voltando-me para fora, que no interior da minha casa tudo era desagradável.” [S. Bernardo, p. 142].

* balaustrada: parapeito, grade de proteção ou apoio.

No trecho destacado, a palavra “que” não transmite a ideia de

a) causa.

b) consequência.

c) razão.

d) fundamento.

e) motivo.

Resolução

Alternativa b. Perceba que todas as demais alternativas são semanticamente próximas, o que leva à compreensão acerca da conjunção subordinativa “que” ser causal, tendo em vista que todas as ações presentes no trecho são decorrentes do fato de a casa da personagem ser desagradável.

Questão 02 – (UFPR) Considere as seguintes sentenças.

1. Ainda que os salários estejam cada vez mais defasados, o aumento de preços diminui consideravelmente seu poder de compras.

2. O Governo resolveu não se comprometer com nenhuma das facções formadas no congresso. Desse modo, todos ficarão à vontade para negociar as possíveis saídas.

3. Embora o Brasil possua muito solo fértil com vocação para o plantio, isso conseguiu atenuar rapidamente o problema da fome.

4. Choveu muito no inverno deste ano. Entretanto, novos projetos de irrigação foram necessários.

As expressões destacadas NÃO estabelecem as relações de significado adequadas, criando problemas de coerência, em:

a) 2 apenas.

b) 1 e 3 apenas.

c) 1 e 4 apenas.

d) 2, 3 e 4 apenas.

e) 2 e 4 apenas.

Resolução

Alternativa b. As afirmações 1 e 3 apresentam desvios relativos à coerência textual, pois "ainda que" e "embora" são conjunções subordinativas concessivas, ou seja, carregam o sentido de ressalva, que não é encontrado nos trechos. Dessa maneira, as afirmações ficariam adequadas caso fossem acrescentados termos de negação antes do verbo da oração principal, como se observa a seguir: "Ainda que os salários estejam cada vez mais defasados, o aumento de preços não diminui consideravelmente seu poder de compras", e "Embora o Brasil possua muito solo fértil com vocação para o plantio, isso não conseguiu atenuar rapidamente o problema da fome".


Por: Diogo Berquó