Estilística

Texto:

Hipérbato



Hipérbato é uma figura de linguagem ou de sintaxe caracterizada pela inversão da ordem direta dos elementos de uma oração ou período. Assim, a anástrofe e a sínquise são dois tipos específicos de hipérbato.

A anástrofe ocorre quando um adjunto adnominal composto por preposição mais substantivo é anteposto ao substantivo por ele qualificado. Já a sínquise ocorre quando a inversão feita produz o não entendimento ou a ambiguidade do enunciado. Por fim, o anacoluto é uma quebra sintática existente entre o início e o fim da frase que pode estar acompanhada ou não de inversão.

Leia também: Ironia – recurso linguístico muito relacionado à comicidade

Exemplos de hipérbato

O hipérbato é caracterizado pela inversão dos elementos de uma oração ou período.
O hipérbato é caracterizado pela inversão dos elementos de uma oração ou período.

O hipérbato é a inversão da ordem direta dos elementos de uma oração ou período. A ordem direta é: sujeito, verbo, complemento ou predicativo. Assim, apresentamos os seguintes exemplos dessa figura de linguagem:

  • Exemplo 1

Ordem direta: Juliano foi à casa do Pablo para planejarem a viagem.

Hipérbato: À casa do Pablo, Juliano foi para planejarem a viagem.

  • Exemplo 2

Ordem direta: O automóvel fazia um barulho estranho.

Hipérbato: Fazia o automóvel um barulho estranho.

  • Exemplo 3

Ordem direta: O menino correu para ver o circo chegar.

Hipérbato: Correu o menino para ver o circo chegar.

  • Exemplo 4

Ordem direta: Aquele latido significava que o cão estava com fome.

Hipérbato: Que o cão estava com fome, aquele latido significava.

  • Exemplo 5

Ordem direta: A ave queria voar, mas tinha uma asa quebrada.

Hipérbato: Voar queria a ave, mas tinha uma asa quebrada.

  • Exemplo 6

Ordem direta: Ela vendia um computador pelo preço de dois.

Hipérbato: Um computador ela vendia pelo preço de dois.

  • Exemplo 7

Ordem direta: Ele gostava de doce de leite mais do que de sorvete.

Hipérbato: De doce de leite, ele gostava mais do que de sorvete.

  • Exemplo 8

Ordem direta: A menina conhecia muito bem cada uma de suas amigas.

Hipérbato: Cada uma de suas amigas, a menina conhecia muito bem.

Anástrofe e sínquise

Anástrofe e sínquise são dois tipos específicos de hipérbato. A anástrofe ocorre quando um adjunto adnominal composto por preposição mais substantivo vem antes do substantivo por ele qualificado. Analisemos a seguinte frase:

Ela não podia suportar a dor da manhã.

Nessa frase, “da manhã” é um adjunto adnominal composto por preposição mais substantivo, que acompanham e qualificam o substantivo “dor”. Para ocorrer a anástrofe, devemos fazer a seguinte inversão:

Ela não podia suportar da manhã a dor.

Vejamos esta frase:

O irmão dela foi o pomo da discórdia.

Na frase anterior, “da discórdia” é uma adjunto adnominal composto por preposição mais substantivo, que acompanham e qualificam o substantivo “pomo”. Ao fazermos a inversão, temos a anástrofe:

O irmão dela foi da discórdia o pomo.

Já a sínquise ocorre quando a inversão feita torna a frase incompreensível ou muito ambígua, portanto, acaba por configurar-se em um vício de linguagem:

Em protesto, de George Floyd, em 2020, saíram pela morte, em diversas americanas cidades, pessoas negras.

Ou seja:

Em 2020, pessoas negras, em diversas cidades americanas, saíram em protesto pela morte de George Floyd.

Ou ainda:

Um fusca tinha Fabiano cor-de-rosa.

Melhor seria:

Fabiano tinha um fusca cor-de-rosa.

Leia também: Pleonasmo – recurso linguístico que utiliza a repetição de termo ou ideia

Hipérbato e anacoluto

O hipérbato é caracterizado, como já ficou claro, pela inversão, o que pode dificultar a leitura. Às vezes, no caso da sínquise, pode mesmo provocar o não entendimento. Já o anacoluto caracteriza-se por uma quebra sintática ocorrida entre o início da frase e o seu final. No entanto, isso não causa a incompreensão.

Veja os seguintes exemplos:

Nós acho que não queremos manter as coisas como estão.

Observe que houve uma quebra sintática depois do pronome “Nós”, já que o verbo “acho”, conjugado na primeira pessoa do singular, sintaticamente, exige o sujeito “eu”. Nesse caso, o anacoluto ocorre devido a uma inversão. Sem ela, teríamos:

Acho que nós não queremos manter as coisas como estão.

No entanto, o anacoluto pode ocorrer em uma frase em que não há o fenômeno da inversão:

Meu amor nada é tão frustrante a ponto de me fazer enlouquecer.

Note que o pronome “nada” provoca a quebra sintática. Sem ele, teríamos:

Meu amor é tão frustrante a ponto de me fazer enlouquecer.

Atenção, não confunda o sujeito “Meu amor” com o vocativo “Meu amor”. No segundo caso, haveria uma vírgula depois de “amor”: “Meu amor, nada é tão frustrante a ponto de me fazer enlouquecer”, ou seja, uma vírgula mudaria completamente o sentido da frase.

Acesse também: Hipérbole – figura de linguagem que expressa intensidade e exagero

Exercícios resolvidos

Questão 1 - Leia as frases a seguir e marque a alternativa em que se verifica a presença de um hipérbato.

a) Os dias passaram-se sem que pudéssemos apreciar os bons momentos.

b) A música tocou no rádio, e todos compreenderam seu profundo significado.

c) Quando cheguei ao Chile, não se falava mais daquele terremoto.

d) Ela nunca pensou que chegaríamos a este ponto, por isso estava decepcionada.

e) Finalmente, estavam unidos pais e filhos depois de longa separação.

Resolução

Alternativa E. No trecho “estavam unidos pais e filhos”, a ordem direta é: “pais e filhos estavam unidos”. Portanto, na frase “Finalmente, estavam unidos pais e filhos depois de longa separação”, há um hipérbato.

Questão 2 - Leia o soneto a seguir, integrante da obra Via Láctea, de Olavo Bilac:

Talvez sonhasse, quando a vi. Mas via
Que, aos raios do luar iluminada,
Entre as estrelas trêmulas subia
Uma infinita e cintilante escada.

E eu olhava-a de baixo, olhava-a... Em cada
Degrau, que o ouro mais límpido vestia,
Mudo e sereno, um anjo a harpa doirada,
Ressoante de súplicas, feria...

Tu, mãe sagrada! vós também, formosas
Ilusões! sonhos meus! Íeis por ela
Como um bando de sombras vaporosas.

E, ó meu amor! eu te buscava, quando
Vi que no alto surgias, calma e bela,
O olhar celeste para o meu baixando...

Nesse poema, é possível identificar alguns hipérbatos. Sabendo disso, marque a alternativa em que os versos transcritos NÃO apresentam essa figura de linguagem.

a) “Talvez sonhasse, quando a vi. Mas via/ Que, aos raios do luar iluminada,”

b) “Entre as estrelas trêmulas subia/ Uma infinita e cintilante escada.”
c) “E eu olhava-a de baixo, olhava-a... Em cada/ Degrau, que o ouro mais límpido vestia,”

d) “Mudo e sereno, um anjo a harpa doirada,/ Ressoante de súplicas, feria...”

e) “Vi que no alto surgias, calma e bela,/ O olhar celeste para o meu baixando...”

Resolução

Alternativa A. É possível identificar hipérbatos em: “subia uma infinita e cintilante escada” (alternativa B), “em cada degrau, que o ouro mais límpido vestia” (alternativa C), “um anjo a harpa doirada, [...] feria” (alternativa D), e “o olhar celeste para o meu baixando”. Portanto, a única alternativa sem a presença de hipérbato é a alternativa A. 


Por: Warley Souza