Modo indicativo

Por Guilherme Viana

O modo indicativo é um dos modos existentes na língua portuguesa, além do modo subjuntivo e modo imperativo. O indicativo se diferencia dos demais por apresentar ações verbais tidas como reais ou verossímeis no fato que se enuncia.

Leia também: O que são verbos abundantes?

O que é modo indicativo?

O modo indicativo é um dos modos verbais de conjugação. É usado para enunciar ações verbais tidas como reais ou verossímeis pelo falante, representando algo que aconteceu, que acontece ou que acontecerá. Veja a diferença entre os modos indicativo, subjuntivo e imperativo:

Modo

Uso

Exemplo

Indicativo

Ações verbais tidas como
reais ou verossímeis

"Você canta para mim?"

Subjuntivo

Ações verbais consideradas
suposições ou hipóteses

"Que você cante para mim um dia!"

Imperativo

Pedidos, ordens ou sugestões
a outra(s) pessoa(s)

"Cante para mim agora."

Note que, no caso do modo indicativo, espera-se que a ação verbal tenha acontecido ou que aconteça de fato. No caso do modo subjuntivo, os acontecimentos são considerados menos certos de ocorrer. No modo imperativo, há um pedido ou uma ordem, que pode ser tanto algo positivo quanto negativo.

Tempos no modo indicativo

O modo indicativo apresenta seis tempos verbais.

Esses tempos verbais se referem a ações que podem ocorrer no momento da fala (presente), antes do momento da fala (pretérito perfeito, imperfeito ou mais-que-perfeito) ou que ainda não ocorreram (futuro do presente e do pretérito).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

  • Tempos verbais simples

O tempo verbal simples conta apenas com a conjugação do próprio verbo, sem ter outro verbo como auxiliar. Os seis tempos do modo indicativo podem ocorrer no tempo verbal simples. Para ilustrá-los, conjugaremos o verbo “cantar”.

- Presente

Pode indicar uma ação que ocorre no momento presente do enunciado ou uma ação habitual.

Presente do indicativo

Eu

Canto

Tu

Cantas

Ele/ela

Canta

Nós

Cantamos

Vós

Cantais

Eles/elas

Cantam

- Pretérito perfeito

Pode ser usado para indicar um fato em momento anterior ao da fala e que já foi concluído.

Pretérito perfeito do indicativo

Eu

Cantei

Tu

Cantaste

Ele/ela

Cantou

Nós

Cantamos

Vós

Cantastes

Eles/elas

Cantaram

- Pretérito imperfeito

Pode ser usado para indicar uma ação contínua que ocorria em momento anterior ao da fala, mas que foi interrompida e parou de ocorrer, muitas vezes não tendo sido finalizada.

Pretérito imperfeito do indicativo

Eu

Cantava

Tu

Cantavas

Ele/ela

Cantava

Nós

Cantávamos

Vós

Cantáveis

Eles/elas

Cantavam

- Pretérito mais-que-perfeito

Pode ser usado para indicar uma ação que já ocorria antes de outra ação no passado. Portanto, é uma ação anterior ao passado em relação ao momento da fala.

Pretérito mais-que-perfeito do indicativo

Eu

Cantara

Tu

Cantaras

Ele/ela

Cantara

Nós

Cantáramos

Vós

Cantáreis

Eles/elas

Cantaram

- Futuro do presente

Pode ser usado para indicar uma ação que ocorrerá em momento posterior ao da fala.

Futuro do presente do indicativo

Eu

Cantarei

Tu

Cantarás

Ele/ela

Cantará

Nós

Cantaremos

Vós

Cantareis

Eles/elas

Cantarão

- Futuro do pretérito

Pode ser usado para indicar uma ação posterior à outra do passado, uma ação que não ocorreu ainda e cuja ocorrência é duvidosa ou não está exatamente de acordo com o esperado.

Futuro do pretérito do indicativo

Eu

Cantaria

Tu

Cantarias

Ele/ela

Cantaria

Nós

Cantaríamos

Vós

Cantaríeis

Eles/elas

Cantariam

Veja também: Verbos anômalos – verbos que sofrem alteração em seus radicais quando conjugados

  • Tempos verbais compostos

O tempo verbal composto apresenta um verbo auxiliar (“ter” ou “haver”) e um verbo principal. O verbo auxiliar é conjugado de acordo com o tempo verbal, enquanto o verbo principal fica no particípio, o que forma uma locução verbal:

verbo auxiliar + verbo principal

Exemplo:

Eu tenho estudado muito!

No caso acima, “tenho” é o verbo auxiliar, conjugado no presente do indicativo, e “estudado” é o verbo principal, no particípio. Apenas quatro tempos do modo indicativo apresentam formas compostas: pretérito perfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro do presente e futuro do pretérito.

- Pretérito perfeito

Pode indicar uma ação que se repete continuamente desde o passado até o momento presente.

Pretérito perfeito do indicativo

Eu

Tenho cantado

Tu

Tens cantado

Ele/ela

Tem cantado

Nós

Temos cantado

Vós

Tendes cantado

Eles/elas

Têm cantado

- Pretérito mais-que-perfeito

Pode indicar uma ação que ocorreu anteriormente à outra ação do passado.

Pretérito mais-que-perfeito do indicativo

Eu

Tinha cantado

Tu

Tinhas cantado

Ele/ela

Tinha cantado

Nós

Tínhamos cantado

Vós

Tínheis cantado

Eles/elas

Tinham cantado

- Futuro do presente

Pode indicar uma ação futura que terá terminado antes de outra ação futura ou exprimir uma expectativa de quem fala.

Futuro do presente do indicativo

Eu

Terei cantado

Tu

Terás cantado

Ele/ela

Terá cantado

Nós

Teremos cantado

Vós

Tereis cantado

Eles/elas

Terão cantado

- Futuro do pretérito

Pode indicar uma ação que teria ocorrido depois de outra ação no passado.

Futuro do pretérito do indicativo

Eu

Teria cantado

Tu

Terias cantado

Ele/ela

Teria cantado

Nós

Teríamos cantado

Vós

Teríeis cantado

Eles/elas

Teriam cantado

Atenção!

O tempo verbal composto não deve ser confundido com a conjugação perifrástica.

O tempo verbal composto tem como verbo auxiliar apenas “ter” ou “haver”, e os verbos principais são conjugados no particípio. A conjugação perifrástica tem mais verbos auxiliares, como “ir”, “continuar”, “acabar”, entre outros, e os verbos principais podem ser conjugados no gerúndio ou no infinitivo. A conjugação perifrástica nada mais é do que substituir uma conjugação mais curta, como a forma verbal simples, por uma conjugação mais longa e complexa, o que tem sido muito frequente na oralidade.

Acesse também: Verbos reflexivos – verbos cujas ações são executadas e sofridas pelo mesmo sujeito

Exercícios resolvidos

Questão 1 – (IFRS 2014)

QUINO. Mafalda 2. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

O tempo e o modo verbal de leu e diz, respectivamente, são

A) pretérito perfeito do indicativo e presente do indicativo.
B) pretérito imperfeito do subjuntivo e futuro do presente do indicativo.
C) pretérito perfeito do indicativo e presente do subjuntivo.
D) pretérito mais-que-perfeito do indicativo e presente do subjuntivo.
E) pretérito imperfeito do indicativo e presente do indicativo.

Resolução

Alternativa A. A palavra “leu” é a conjugação do verbo “ler” no pretérito perfeito do indicativo, como uma ação já finalizada. A palavra “diz” é a conjugação do verbo “dizer” no presente do indicativo, como ação que ocorre no momento da fala.

Questão 2 – (USF-SP 2017)

Milhões de pessoas sadias estão sendo prejudicadas com diagnósticos psiquiátricos equivocados e tratamentos desnecessários enquanto os que têm doenças mentais verdadeiras não têm acesso às terapias de que precisam.

O alerta vem do psiquiatra norte-americano Allen Frances, 73, professor emérito na Universidade Duke, na Carolina do Norte (EUA), autor do livro “Voltando ao normal” (Versal Editores), recém-traduzido para o português.

Frances, que participa de palestras no Rio de Janeiro sobre a sua obra, diz que a tendência atual é de uma sociedade em que todos, em algum momento, sofrerão de algum transtorno.

Sua crítica é centrada particularmente no DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), de 2013, um guia tido como a “bíblia da psiquiatria”.

Frances liderou a versão anterior, o DSM-4, cuja diretriz foi tentar conter a inflação de diagnósticos, que já se espalhava na psiquiatria e na medicina em geral.

Disponível em: . Acesso em: 22/09/2016, às 16h (fins pedagógicos).

Sobre as formas verbais destacadas do texto, assinale a alternativa correta.

A) A forma verbal "liderou" está conjugada no pretérito perfeito do modo indicativo e refere-se a um evento frequente no passado, de ação prolongada ou habitual durante algum tempo.
B) A forma "participa" está conjugada no presente do indicativo em seu uso histórico, já que pode ser substituída pelo pretérito perfeito do indicativo sem alteração semântica no período original.
C) A forma verbal "espalhava" está conjugada no pretérito imperfeito do modo indicativo e expressa uma verdade universal que quebra a fronteira entre o passado e o presente.
D) A forma "estão sendo prejudicadas", condenada pela norma gramatical por se tratar de um caso de gerundismo, é uma locução do presente do indicativo flexionada na voz passiva.
E) A forma "sofrerão" é uma flexão do futuro do presente do modo indicativo que está desaparecendo na nossa língua, sobretudo na oralidade, sendo substituída por sua forma perifrástica.

Resolução

Alternativa E. O pretérito perfeito não se caracteriza por ação prolongada e habitual durante algum tempo, pois isso é característica do pretérito imperfeito. A alteração de “participa” por “participava” alteraria o sentido do período naquele contexto. A forma verbal “espalhava” não apresenta quebra de fronteira entre passado e presente. A forma “estão sendo prejudicadas”, naquele contexto, não configura caso de gerundismo e não é condenada pela norma gramatical. A conjugação simples do futuro do presente do modo indicativo de fato está sendo menos frequente, como no caso de “sofrerão”, que, na oralidade, é mais comumente substituído pela forma perifrástica “vão sofrer”.

Mais procurados

Uso dos porquês

Conte com o artigo para não errar mais o uso dos porquês.

Hiato

Saiba como separar as sílabas das palavras que possuem hiato.

Vogal temática

Toda palavra possui uma vogal temática: mito ou verdade?

Complementos verbais

Que tal fazer uma revisão sobre complementos verbais agora?

Carteira de Estudante no Brasil Escola

Acesse e saiba como solicitar a sua carteirinha de estudante Brasil Escola. É rápido e fácil!

Mais procurados background